avozmissionaria@hotmail.com

Pesquisar este blog

Postagem em destaque

Nove entre dez brasileiros atribuem a Deus sucesso financeiro

Nove entre dez brasileiros dizem que seu sucesso financeiro se deve a Deus, mostra pesquisa Datafolha. A porcentagem supera 90% ent...

Turcomenistão (País Perseguido 18/2012)


Os cristãos são presos e multados. Casas e locais de culto sem registro são invadidos pela polícia. Apesar de tudo isso, a Igreja continua a crescer

A Igreja
Como na maior parte do continente asiático, o cristianismo difundiu-se no Turcomenistão por meio da Igreja Apostólica do Oriente, mas foi praticamente erradicado pelos exércitos de Tamerlão (o último grande conquistador da Ásia Central), que conquistaram a região e fizeram do islamismo a religião dominante.
As primeiras conversões de turcomanos aconteceram na década de 1990, pelo testemunho da Igreja protestante russa e pelo trabalho missionário. No início, os pequenos grupos de crentes foram formados como uma extensão da Igreja russa, mas logo estabeleceram sua própria identidade cultural.
O grau inicial de liberdade no país logo foi reduzido, e o governo começou a pressionar os cristãos. Muitos cristãos russos deixaram o país por causa do agravamento da situação e, assim, a Igreja ortodoxa sofreu perdas significativas.
Grande parte dos cristãos turcomanos mantém sua identidade religiosa em sigilo. 
Como a população é monitorada pelo governo, diferentes grupos de cristãos têm dificuldade em interagir. Isolados, sem materiais nem ensinamento, surgem interpretações erradas da Bíblia, heresias e falta de confiança mútua.

A Perseguição Religiosa
A história da Igreja no Turcomenistão foi marcada por mártires no passado, mas atualmente há certa liberdade para a evangelização. Ainda assim, é comum que os cristãos sejam hostilizados pelos muçulmanos e enfrentem muitas restrições por parte do governo.
A maior parte dos templos das igrejas protestantes foi demolida na década de 1990. 
Todos os grupos religiosos do país devem se registrar, para que suas atividades não sejam consideradas ilegais. O processo para se obter registro foi facilitado em 2004, mas ser registrada não garante à igreja liberdade de culto. Os grupos não registrados são banidos.

Da mesma forma, é proibido publicar e distribuir livros cristãos. A importação desse material é censurada, sendo necessário ter uma aprovação do Comitê de Assuntos Religiosos para cada item.
Não pode haver Sociedade Bíblica no país, nem livrarias cristãs. Além disso, as leis proíbem qualquer tipo de trabalho missionário ou proselitista, principalmente com os muçulmanos. Embora oficialmente o governo não favoreça nenhum grupo religioso, tem financiado a construção de mesquitas pelo país.
Autoridades, clérigos e a sociedade pressionam os convertidos a voltarem ao islamismo. Isso ocorre de forma mais intensa na zona rural. Abandonar o islamismo significa negar a identidade turcomana. Assim, aqueles que trocam o islamismo pelo cristianismo são acusados de trair a "fé de seus antepassados".
História e Política
O Turcomenistão situa-se na Ásia Central, às margens do Mar Cáspio, entre o Irã e o Cazaquistão. Desertos planos dominam quase todo o território turcomano, mas há a presença de montanhas ao sul do país. O nome do país significa “lar dos turcomanos”. Há também a hipótese de que seu nome faça referência a uma conversão em massa de 200 mil nativos ao islamismo no século X e, por isso, teriam recebido o titulo de Turk Iman, que significa “povo de fé ou de fé forte”.
Na antiguidade, muitos impérios dominaram as terras do atual Turcomenistão, como o Império Persa, Alexandre, o Grande, persas sassânidas, seljúcidas (século 12) e Genghis Khan (século 13).  Nos séculos VII e VIII, a Ásia Central foi invadida pelos árabes muçulmanos e desde então o país passou por um processo de islamização. Os primeiros habitantes do país foram as tribos nômades turcas, que migraram da região do atual Cazaquistão a partir do século X.
O Império Russo começou a se expandir no século XVIII, passando a conquistar territórios da Ásia Central e da Europa Oriental. Em 1925 o país se tornou parte da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) e permaneceu sob o poder dos comunistas até 1990.
O Turcomenistão se tornou um país independente em 22 de agosto de 1990. Desde então, o país só teve dois presidentes no poder: Niyazov, que governou de 1990 a 2006 e seu substituto, Kurbanguly Berdymukhamedov. O atual governo é, em tese, uma República Presidencialista, mas na prática é um Regime Presidencial Autoritário com os poderes concentrados na pessoa do presidente.
População
O povo turcomano se formou durante o período de domínio seljúcida, a partir da miscigenação de turcos oguzos com tribos nômades locais. Um grande número de turcomanos migrou para o Iraque ao longo da história; hoje, estima-se que haja mais de 4 milhões deles no norte do Iraque. Os principais grupos étnicos do país são os turcomanos, os uzbeques e os russos.
Economia
A economia do Turcomenistão é predominantemente agrícola: a agricultura é responsável por quase metade do produto interno bruto (PIB). O país conta com ricos depósitos de petróleo, gás natural, potássio, enxofre e sais. A produção industrial do país é amplamente dominada pelos setores de processamento de combustível e de algodão. Os principais setores da economia são controlados pelo Estado. 

0 comentários:

Postar um comentário