avozmissionaria@hotmail.com

Pesquisar este blog

Postagem em destaque

Nove entre dez brasileiros atribuem a Deus sucesso financeiro

Nove entre dez brasileiros dizem que seu sucesso financeiro se deve a Deus, mostra pesquisa Datafolha. A porcentagem supera 90% ent...

Butão (País Perseguido 17/2012)


Os cristãos são forçados a se reunir secretamente. Aqueles que se convertem ao cristianismo enfrentam oposição da família e da comunidade

A Igreja
O Butão permaneceu fechado ao cristianismo até 1965. Pelo testemunho fiel de cristãos no interior do país e na fronteira com a Índia, o número de convertidos cresceu de forma considerável nos últimos 25 anos. Infelizmente, o aumento nas conversões trouxe restrições.
Em 1969, a Assembleia Nacional aprovou uma resolução que afirma que nenhuma outra religião, além do budismo e o hinduísmo, seria reconhecida no país. Uma década depois, ela aprovou a legislação que proíbe outras religiões de evangelizar, embora as atividades privadas sejam permitidas.
Desde outubro de 2000, o governo do Butão parece ter empreendido uma campanha contra a minoria cristã no país.
Como os templos para igrejas são ilegais, os cristãos reúnem-se em casas. As pesquisas variam quanto à estimativa da população cristã. Acredita-se haver entre 7 e 10 mil convertidos no país, cuja maioria está na capital, Timphu. Enquanto a maioria deles é pentecostal, as igrejas domésticas e as redes às quais pertencem são independentes umas das outras.
Poucos esforços evangelísticos são realizados para com a etnia drukpa, que compreende 68% da população. Há poucos convertidos entre eles; um líder cristão afirma haver não mais que 700 drukpas convertidos no país. Os poucos grupos e igrejas missionários que operam no Butão estão mais concentrados na etnia lhotshampa, mais receptiva – etnia de ascendência nepalesa.
Infelizmente, desunião e desconfiança flagelam a Igreja butanesa. Há a formação de zonas de influência e também existe suspeita entre os grupos das Igrejas. Alguns praticam o chamado "roubo de ovelhas", fazendo discípulos entre os que já são convertidos. Há grande necessidade de líderes treinados.
A Perseguição Religiosa
A perseguição no Butão não é sistemática. Atrocidades, como agressões físicas e prisões, são esporádicas. Existe discriminação das autoridades para com obreiros cristãos, mas não é elevada. Os cristãos butaneses sofrem pressão a partir de três fontes principais: o governo, a sociedade e o budismo. Atualmente, esta vertente budista Drukpa Kagyupa ainda é a religião oficial do país. Ela vigora no Butão desde o século XIII.
Os inúmeros mosteiros com seus milhares de monges desempenham um papel importante de centros da mais elevada cultura, mantendo vivas as tradições. Os monges são requisitados para atuar como médicos e para celebrar a maioria dos eventos sociais, como casamentos e funerais. Além disso, eles também são convocados para analisar horóscopos e para realizar os importantes rituais religiosos ligados a cada detalhe da vida cotidiana butanesa.
A influência dos mosteiros e dos monges na sociedade cria uma barreira cultural ao evangelho. Divulgar qualquer outra religião sob qualquer forma é um ato ilegal. O governo pressiona os cristãos para que se convertam ao budismo. Aqueles que se recusam são discriminados e passam por um tempo difícil, quando têm seus documentos ou licenças retidos. As crianças cristãs também sofrem na escola por causa de sua fé. Além de ser marginalizada socialmente, a Igreja butanesa é alvo frequente da perseguição do governo.
Só se permite que os convertidos pratiquem sua fé em reuniões particulares nas casas, mas não a ponto de propagar a fé, nem de construir templos. Os edifícios das igrejas podem ser derrubados sem nenhum motivo e acusações falsas às vezes são feitas contra cristãos. Pastores e evangelistas já foram detidos, encarcerados, torturados e mortos.
A maior parte da perseguição acontece em áreas onde os monges budistas opõem-se à presença de cristãos. Isto tem forçado os convertidos a reunir-se de forma secreta, limitando suas atividades para não despertar a raiva dos monges budistas.
História e Política
Conhecido como Druk-Yul ou "A Terra do Dragão Rugidor", o pequeno reino do Butão está localizado no alto da Cordilheira do Himalaia, em uma encosta, seis mil metros abaixo das altas montanhas cobertas de neve que o separam do Tibete, uma das cinco regiões autônomas da China. O nome Butão significa “País Alto” no idioma local.
A ocupação do Butão ocorreu ao longo dos séculos, a partir de uma série de ondas migratórias provenientes das áreas vizinhas, especialmente do Tibete. A tradição situa o início da história do Butão no século VII, quando o rei tibetano Songtsen Gampo construiu os primeiros templos budistas nos vales de Paro e de Bumthang. No século VIII, introduziu-se o budismo tântrico*  pelo Guru Rimpoche, "O Mestre Precioso", considerado o segundo Buda na hierarquia tibetana e butanesa. Os séculos IX e X são de grande turbulência política no Tibete e muitos aristocratas vieram instalar-se nos vales do Butão, onde estabeleceram o seu poder feudal.
A história do país está intrinsecamente ligada às atividades religiosas. No Butão estabeleceram-se duas correntes do budismo, embora antagônicas. A sua coexistência foi interrompida pelo príncipe tibetano Ngawang Namgyel, que, fugindo do Tibete, no século XVII, unificou o Butão com o apoio da seita Drukpa, tornando-se o primeiro Shabdrung (título atribuído aos grandes líderes) do Butão – "aquele a cujos pés todos se prostram". Ele mandou construir as mais importantes fortalezas do país, que serviram para impedir as invasões mongóis e tibetanas. A partir do seu reinado estabeleceu-se um sistema político e religioso que vigorou até 1907, em que o poder foi administrado por duas entidades, uma temporal e outra religiosa, sob a supervisão do Shabdrung.
Um desses governadores, o "Penlop" de Tongsa, Ugyen Wangchuck, que já controlava o Butão central e oriental, conseguiu dominar os seus opositores de Thimbu e, assim, implantar a sua influência sobre todo o país. Em 1907 foi coroado rei do Butão, após consultas ao clero, à aristocracia e ao povo, e com a aliança dos ingleses. Foi assim criada a monarquia hereditária que hoje vigora.
Em 1950 a China Comunista invadiu o Tibete, reclamando para si o reino do Butão, por considerá-lo parte integrante do Tibete. A Índia discordou desse posicionamento do governo chinês, assegurando dessa forma a independência política do reino do Butão. O país viveu isolado do mundo durante muitos séculos, como uma forma de preservar a cultura budista de influências estrangeiras.
Atualmente o Butão está em um período de transição entre a monarquia budista absoluta e a democracia multipartidária. Entretanto, muitos butaneses gostariam que o rei Jigme permanecesse no poder.
Segundo uma pesquisa feita em 2005 pelo Centro de Estudos do Butão, 68% da população está muito satisfeita com sua vida.
A primeira Constituição do país foi ratificada em julho de 2008. Ela é baseada em princípios budistas, e sua teologia se materializa na forma de um compromisso do Estado em maximizar "a felicidade geral da nação". Direitos e responsabilidades expressos na Constituição são provenientes, em sua maioria, da cultura budista.
*O Budismo Tântrico surgiu no século VI e tem como base os textos conhecidos como Tantras. As suas bases fundamentais são a meditação, o ritual, o simbolismo e a magia.
População
A população divide-se em quatro culturas principais: tibetana, indiana, sul-asiática e nepalesa. Na década de 1990 eclodiram conflitos étnicos no país, quando seus habitantes de origem nepalesa reivindicaram direitos iguais aos demais cidadãos butaneses.
Nas décadas de 1980 e 1990, milhares de butaneses de origem nepalesa praticantes do hinduísmo se refugiaram na Índia e no Nepal, devido à pressão do governo, que, de maneira arbitrária, impunha sobre a população a cultura, costumes e religião butaneses. Essa etnia compõe atualmente cerca de 35% da população butanesa.
Economia
A área central do Butão é seu coração cultural e econômico. A política governamental segue a receita de um desenvolvimento sustentável que permite a preservação dos recursos naturais.
Quase toda a população está envolvida na pecuária e na agricultura de subsistência, sendo o arroz a principal cultura. No que concerne ao meio ambiente, o país tem sido considerado um dos mais ricos do mundo, mas isto não repercute em sua economia.
Montanhas pedregosas dominam o terreno e dificultam a construção de estradas e outros tipos de infraestrutura. 
A economia butanesa é alinhada à da Índia, através de forte comércio e laços monetários. O Butão também depende da assistência financeira da Índia. 

0 comentários:

Postar um comentário