avozmissionaria@hotmail.com

Pesquisar este blog

Postagem em destaque

Nove entre dez brasileiros atribuem a Deus sucesso financeiro

Nove entre dez brasileiros dizem que seu sucesso financeiro se deve a Deus, mostra pesquisa Datafolha. A porcentagem supera 90% ent...

Cristianismo na China está se expandindo em conjunto com o capitalismo



É impossível dizer quantos cristãos existem na China de hoje, mas o que é inegável é que a quantidade está aumentando.O governo informou que é de 25 milhões, 18 milhões são protestantes e 6 milhões de católicos. Organizações independentes concordam que o número foi subestimado. Uma estimativa conservadora é de 60 milhões. Há mais chineses no domingo nas igrejas que paroquianos em toda a Europa. Os novos convertidos são de diversos grupos sociais, dos agricultores em remotas aldeias rurais a jovens de classe média em cidades sofisticadas e vibrantes.




Clandestinidade

Há uma complexidade nas estruturas do cristianismo na china, é um pouco difícil de entender no Ocidente. 

Para começar, o catolicismo e o protestantismo são classificados pelo Estado Chines como duas religiões distintas. Ao longo do século XX, o cristianismo foi associado com o imperialismo ocidental. Depois da vitória comunista, os missionários foram expulsos, mas o cristianismo era permitido nas igrejas designadas pelo Estado desde que a primeira lealdade era do Partido Comunista. 

Mao descreveu a religião como um "veneno" e a Revolução Cultural das décadas dos anos sessenta e setenta tentaram erradicá-la. 

Clandestinamente, o cristianismo não apenas sobreviveu, mas através de seus próprios mártires chineses, foi reforçada. 

Desde os anos oitenta, quando a crença religiosa foi novamente permitida, as igrejas oficiais tinham conquistado mais espaços. 

Estas instituições devem ser responsáveis ​​para a Administração Estatal de Assuntos Religiosos. Eles são proibidos de participar em actividades religiosas fora de suas instalações para a adoração e deve ter o slogan "Ame o seu país, o amor a sua religião." 

O Partido Comunista promove o ateísmo nas escolas, mas compromete-se a "proteger e respeitar a religião até o momento em que a religião desaparece." 

Igrejas domésticas ou "Grupos Familiares"

Protestantes e católicos estão divididos em igrejas oficiais e não oficiais. 
A Associação Patriótica Católica, uma organização designada pelo governo, nomeia os bispos e é proibido de se relacionar com o Vaticano, embora os católicos estão autorizados a reconhecer a autoridade espiritual do Papa. 

Há uma igreja católica clandestina que é apoiada pelo Vaticano e tem muitos seguidores. 
Gradualmente, o Vaticano e o governo vão se "entendendo".
A maioria dos bispos são reconhecidos por ambas as autoridades, mas não apóia a soberania superior da outra. 

Nos últimos meses, o governo chinês mostrou a sua mão forte, depois de executar a ordem sacerdotal de seus bispos, que está em oposição aos princípios do Vaticano. 

Em resposta, a maior instituição do mundo do catolicismo um daqueles bispos ordenados foi excomungado. 

No entanto, seria errado simplesmente para desacreditar a igreja oficial chamando-a de uma farsa. 

Estive nas Montanhas no oeste de Pequim, visitei a cidade de Ho Sanju, onde uma igreja católica tem operado desde o século XIV. 

A fé dos idosos mais velhos resistiu à invasão japonesa e a Revolução Cultural. A clínica da cidade é dirigida por freiras, um nativo da Mongólia, considerado uma grande referencia do catolicismo. 

É justamente em cidades como esta onde a Igreja Católica recruta seus paroquianos jovens a se tornarem padres. 

Protestantismo
A igreja oficial protestante está crescendo mais rápido do que o catolicismo. 

Na manhã do dia de Páscoa, Semana Santa, vi cinco missas. Cada uma com mais de 1.500 fiéis. 

No entanto, esses números são pequenos se comparados com as chamados "igrejas domésticas" (grupos familiares) que na realidade são organizações religiosas que estão espalhadas por todo o país. 

A igreja oficial, não concorda com este tipo de organizações informais, estão preocupados que o fervor deles promovam reações violentas. 

As autoridades afirmam que não é negociável que as igrejas domésticas se recusem a reconhecer qualquer autoridade oficial sobre a organização. 

O Estado teme a influência da teologia e evangelismo fervorosos dos EUA nas igrejas domesticas. No entanto, em muitos aspectos, parece ser um movimento nativo chinês, carismático, enérgico e jovial. 

Uma jovem chinêsa que definiu a igreja, afirmou: "Temos 50 jovens profissionais nesta igreja. Todo mundo está muito ocupado trabalhando. Nós não temos tempo de nos envolver com o socialismo e até mesmo se você está se envolvendo mostra um rosto falso..." 

"Mas na igreja, as pessoas sentem o calor, sinto que sou bem-vinda. Sentimos que os outros realmente nos recebem bem e nos querem ali. É por isso que eu queremos ser parte da comunidade. Muitas pessoas vêm para isso."
Curso de Matrimonio 

Um acadêmico chinês próximo ao governo, me disse que o governo prefere ignorar as igrejas domésticas, diferente de Falun Gong, as igrejas não representam ameaça. 

Mas, apenas excedendo o limite de uma igreja, como aconteceu em Pequim no ano passado que mudou os cultos para as ruas, as autoridades reagiriam fortemente. 

Em algumas áreas, o Estado tem tentado incorporar Cristianimo em sua "grande idéia" de uma "sociedade harmoniosa", o tema que domina a vida pública na China. 

Tem havido um interesse oficial no Curso de Matrimonio ocidental evangélico Alpha, devido ao aumento alarmante no número de divórcios entre os jovens. 

O que realmente deve preocupar as autoridades, é a razão pela qual muitas pessoas estão se voltando para suas igrejas. 

Eu ouvi pessoas falando uma e outra vez de uma "crise espiritual" na China, uma frase que tem sido utilizada pelo primeiro-ministro Wen Jiao Bao. 

Os mais velhos viram as velhas certezas do marxismo-leninismo se tornarem na mais visceral sociedade capitalista na terra. 

Para os jovens na corrida para ficar rico, a confiança nas instituições e entre indivíduos e gerações, está se desintegrando. 

Como um dos filósofos mais eminentes religiosos da China, Guanghu da Universidade Renmin, em Pequim, resumiu: 

"A adoração de Mammon (o termo usado no Novo Testamento para descrever a ganância) tornou-se o propósito da vida de muitas pessoas. " 

"Eu acho que é natural que muitas pessoas estão insatisfeitos e buscam o significado de sua existência. Por isso, quando o cristianismo entra em suas vidas, o abraçam fortemente."

Fonte...

0 comentários:

Postar um comentário