avozmissionaria@hotmail.com

Pesquisar este blog

Postagem em destaque

Nove entre dez brasileiros atribuem a Deus sucesso financeiro

Nove entre dez brasileiros dizem que seu sucesso financeiro se deve a Deus, mostra pesquisa Datafolha. A porcentagem supera 90% ent...

E China agora acredita em Deus?

Se alguém pensa em religião na China, provavelmente pensam em budismo ou taoísmo. Mas o Cristianismo está crescendo como nunca antes.

Muitas das restrições à liberdade de religião que se originou durante a Revolução Cultural dos anos 60 foram levantadas, dando lugar a um surpreendente grau de abertura e liberdade religiosa.

Ambas as igrejas católicas e protestantes autorizadas pelo Estado tiveram níveis de crescimento que poucos teriam previsto nos anos 80.

A Igreja Protestante da China possui 20 milhões de cristãos, e os católicos chineses têm mais de 10 milhões, mas não devemos esquecer que entre 1.500 milhões, são uma gota em um rio.

Além disso, são fieis dispostos a fazer parte das igrejas aprovadas pelo Partido Comunista. E, embora nos últimos tempos milhões de chineses têm escolhido esta opção, muitos outros fazem parte de igrejas clandestinas não registradas. 

Em busca da harmonia

E, embora o regulamento do cristianismo e outras religiões na China estão mais
soltos do que nunca, ainda há restrições.

Em uma concessão incomum, Zuo Wang An, diretor-geral da Administração Estatal de Assuntos Religiosos, falou com a BBC e demarcou as linhas que não se devem cruzar.

"Em termos da relação entre o Estado e a fé, na China é praticada a separação: o Estado protege a liberdade de religião e não interfere nos assuntos internos de grupos religiosos, da mesma forma, as religiões têm que ficar dentro do quadro da Constituição e da lei e da ordem, e não devem interferir nos assuntos do Estado, tais como administração, educação e justiça ", disse Wang

Ele acrescentou: "Nosso governo quer desenvolver as religiões na China e estamos dispostos a fornecer toda a ajuda necessária." Assistência que inclui um apoio financeiro considerável. Mas o que ganha o Estado comunista deste investimento?

"Junto com o progresso que trouxe a reforma da China e do processo de abertura, vimos o surgimento de alguns problemas sociais. O governo chinês espera que as religiões possam promover a harmonia que pregão e contribuam para a construção de uma sociedade harmoniosa", diz Wang.
A mensagem para as comunidades religiosas parece ser que sim querem ajudar a promover a coesão social, o governo comunista não colocará obstáculos, desde que cumpram as regras e não questione o status quo político.

Ter fé na China

Em um asilo dirigido por um grupo católico, a BBC encontra em uma cadeira de rodas uma mulher muito velha que de rosário e crucifixo no pescoço, canta uma bem-vinda.

O padre JB Jang explica que quando chegou ao centro, esta mulher não falava. Muito menos cantava.

De acordo com o sacerdote, a política da China de uma só criança deixou muitos idosos abandonados por completo.

"Após o tratamento esta senhora falou de novo. Inclusive descobriu a fé. Servir as pessoas com amor, esse é o princípio cristão. Alguns funcionários do governo dizem que nós fazemos para a sociedade o que eles não podem fazer. E acreditam que igreja está fazendo um bom trabalho e agradecem por isso. "

No mesmo centro, um velho mendigo que costumava ser mendigo, também quer cantar. Orgulhoso, o sacerdote o incentiva. Mas de sua boca sai uma melodia discordante: o que ele canta é uma canção de sua juventude comunista.

"Tenho muito a agradecer a Mao. Sem a Revolução não teria aprendido a ler, nem teria terra para trabalhar. Foi então quando eu não podia trabalhar, eu tive que pedir esmola", explica ele, e passo seguido, canta um hino católico canta. Os empregados sorriem aliviados pela demonstração de amor à religião, depois do que passou com o comunismo: estas são as duplas lealdades que eles têm que aceitar.

Alguém com uma memória muito menos doce da Revolução Cultural é o bispo da diocese de Xangai, Abysius Jin, que passou 27 anos na prisão por ser um sacerdote quando Mao Tsé-Tung governou o país. Com seus 94 anos, não hesita em criticar a Igreja, que se manteve fiel por tanto tempo.

"Se não se usasse anticonceptivos na China teria uma explosão populacional que não seria bom para ninguém", diz ao BBC sentado ao lado de uma foto do papa, que não estaria concordo com sua opinião. "Ele é muito conservador. É alemão. Eu preferiria que fosse mais progressista."

O governo não acredita em Deus.


Mas o que há com o compromisso do comunismo com o ateísmo?



"Quanto à questão de saber se Deus existe, o Partido Comunista chinês acredita que não", diz Wang.

Na Academia China de Ciências Sociais, enquanto isso, os intelectuais se dedicam a analisar a fé de outra perspectiva.

Além de investir no desenvolvimento da religião, o governo também financia esse estudo como fenômeno social.

O professor Xinping Xhuo lidera uma equipe de mais de cem pesquisadores que estão investigando se na história ocidental, há uma ligação entre prosperidade econômica e protestantismo, e como se pode beneficiar disto a China contemporânea.

"Nossos economistas permanecem discussões muito interessantes sobre a ética protestante e o espírito do calvinismo. É muito importante revelar o segredo do desenvolvimento social de uma cultura."

Deste ponto de vista, a religião pode contribuir para o desenvolvimento econômico da China, uma hipótese que é examinada neste centro de estudos comunista, sem sinal de que não há nenhuma contradição entre os postulados.



0 comentários:

Postar um comentário